logotipo redesfito

É nos AEPLs que se concretiza o processo de desenvolvimento de medicamentos da biodiversidade, considerando os aspectos ambientais, ecológicos, climáticos, sociais, históricos, geográficos e econômicos de cada Bioma. Nos AEPLs parceiros das RedesFito destaca-se a preocupação com a questão ambiental, a utilização da agroecologia para o cultivo e manejo das plantas medicinais e o respeito e valorização do conhecimento tradicional sobre plantas medicinais construído no território.

Em cada bioma brasileiro, as RedesFito atuam orientando os AEPLs e seus Núcleos, para que estes formulem projetos estruturantes em rede em diferentes escalas de complexidade, organizando a cadeia de desenvolvimento dos medicamentos da biodiversidade brasileira de baixo para cima, ou seja, button-up.

Os Núcleos envolvem detentores de conhecimento tradicional, pesquisadores, professores, agentes governamentais da saúde e CT&I, empresários, farmacêuticos, médicos, administradores, economistas, representantes de Órgãos Não Governamentais - ONGs, representantes de movimentos sociais e comunidades tradicionais.

diagrama AEPL

Os projetos estruturados pelos Núcleos das RedesFito contribuem para a identificação e escolha das espécies que poderão ser transformadas pelas farmácias de manipulação, farmácias vivas, indústrias, laboratórios farmacêuticos em insumos e novos produtos.

A estimativa para os próximos anos é a organização de 30 núcleos do Sistema Nacional das RedesFito por todo o país. Com equipes interinstitucionais e multidisciplinares elaboram e planejam a gestão de projetos, adaptados às necessidades locais, para o desenvolvimento de medicamentos da biodiversidade e atendem aos interesses específicos de saúde e desenvolvimento socioeconômico.