Assista aos vídeos das RedesFito. Clique aqui.

Arrow up
Arrow down
logotipo redesfito

 

A oficina foi realizada (27 e 28/11), na sede do Instituto Nacional do Semiárido (INSA) /MCTIC, como uma das etapas do Projeto Rota da Biodiversidade, uma parceria entre o Ministério da Integração Nacional /MI e da Fundação Oswaldo Cruz-Fiocruz/MS.  O Projeto Rota da Biodiversidade tem como objetivo a coordenação de ações públicas e privadas, da cadeia produtiva de plantas medicinais e fitomedicamentos através de projetos, que serão desenvolvidos, durante o ano de 2019, nos Arranjos Ecoprodutivos Locais (AEPLs) em cinco Polos selecionados nos Biomas: Amazônia, Caatinga, Mata Atlântica e Pantanal.

O projeto está direcionado aos AEPLs por considerar que nestes se concretiza o processo de desenvolvimento de medicamentos da biodiversidade, observando os aspectos ambientais, ecológicos, climáticos, sociais, históricos, geográficos e econômicos de cada Bioma. No Brasil  existem 16 Arranjos Ecoprodutivo Locais, atuando em parceria com as RedesFito, espalhados pelos seis biomas.

Durante a oficina foram discutidos pontos importantes para implantação da Rota de Biodiversidade no Polo Juá-Caatinga como: objetivos, metas, beneficiários, equipe do projeto, custos, datas, parceiros, patrocinadores e benefícios. Na oficina foram definidos o nome do Polo, a área de abrangência, o diagnostico local e a visão de futuro. Também foi elaborada a carteira de projetos e definido o comitê gestor (formado por organizações de produtores e instituições públicas e privadas associadas a cadeia produtiva), que norteará os trabalhos no AEPL.

O evento contou com a participação de representantes do Insa, Fiocruz-MS, Ministério do Meio Ambiente, Ministério da Integração Nacional, Articulação do Semiárido, Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, intuitos de pesquisa e comunidades tradicionais.

 

0b2b187d 27f5 4e10 98db 41ea93ab0482     797a424b adac 484a bf0d bc1d256092da   59e36826 e0bd 412c 9149 d5277fabc7fa  ab055962 2413 499b 9e78 93857eb8b62f

 

 Farmanguinhos estabelece cooperação com Ministério da Integração Nacional para implantar Rotas da Biodiversidade

- As Rotas de Integração Nacional

 O fortalecimento dos Polos procura superar dificuldade nos subsistemas de insumos, pesquisa, produção, processamento, inovação e comercialização, além de buscar soluções relacionadas: ao financiamento, capital social, meio ambiente, infraestrutura e logística. O Rota da Biodiversidade visa à promoção da inclusão produtiva e a integração econômica das regiões menos desenvolvidas do país aos mercados nacionais e internacionais de produção, consumo e investimento.

A iniciativa das Rotas da Integração Nacional busca criar APLs, previamente identificados por meio da aproximação e do envolvimento de órgãos governamentais e atores relevantes para a realização de projetos de desenvolvimento local.

 

- Cooperação técnica entre Farmanguinhos/Fiocruz/MS e a SDR/MI

A Secretaria de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional buscou cooperação com Farmanguinhos através do Núcleo de Gestão em Biodiversidade e Saúde (NGBS) por este reunir o conhecimento técnico sobre a cadeia produtiva da Biodiversidade, além de Farmanguinhos ser a Unidade da Fiocruz com tradição de produção de medicamentos há mais de quarenta anos.

O MI resolveu reunir as experiências orientadas pelo NGBS nos AEPLs e a expertise da SDR/MI em organizar Arranjos Produtivos Locais - APLs, com a aplicação de metodologia própria, já testada em outros APLs de sucesso. Desta forma teve início a organização, mobilização e realização de oficinas da Rota da Biodiversidade em parceria com a Fiocruz/MS.

As Rotas da Integração Nacional buscam criar APLs, previamente identificados por meio da aproximação e do envolvimento de órgãos governamentais e atores relevantes. No caso da cadeia produtiva da Biodiversidade, este programa busca a produção e o desenvolvimento de fitomedicamentos. O órgão governamental identificado como relevante para estas ações foi a Fiocruz/MS, por meio da atuação das RedesFito, com escritório no Núcleo de Gestão em Biodiversidade e Saúde (NGBS) de Farmanguinhos/Fiocruz. O Instituto de Tecnologia em Fármacos-Farmanguinhos, tem a missão de atuar, como unidade técnico-científica da Fiocruz, na promoção da saúde pública, por meio da geração e difusão de conhecimentos, do ensino, da pesquisa, do desenvolvimento tecnológico e da produção de medicamentos.

Em cada bioma brasileiro, as RedesFito atuam orientando os AEPLs e seus grupos de trabalho (GTs), para que estes formulem projetos estruturantes, organizando a cadeia de desenvolvimento dos medicamentos da biodiversidade brasileira. A escolha de Arranjos Produtivos Locais – APLs na Amazônia, Caatinga, Mata Atlântica e Pantanal é justificada pela atuação das RedesFito nestes territórios, a fim de identificar, estruturar e mapear os AEPLs.  As RedesFito incorporaram o conceito de AEPL porque este engloba o componente ecológico, considerado importante para a cadeia de fitomedicamentos e plantas medicinais e para o funcionamento ecossistêmico e a conservação ambiental destes biomas.