Assista aos vídeos das RedesFito. Clique aqui.

Arrow up
Arrow down
logotipo redesfito

 

Parceira das RedesFito em projeto que cultiva plantas medicinais através do sistema agroecológico, a Cooplantas vem sofrendo constantes ataques em suas áreas de plantio com roubos de equipamentos, áreas cultivadas atingidas por queimadas e sistema de irrigação destruído com objetos cortantes. As queimadas ocorreram, pelo menos duas vezes durante este ano, após a renovação dos canteiros de plantas medicinais, com diversas mudas transplantadas.

A Cooperativa de Produção de Plantas Medicinais em Itapeva (SP) é formada por um grupo de mulheres agricultoras que cultivam plantas medicinais, utilizando a agroecologia como técnica para o cultivo. Para o agronomo responsável pela área de agroecologia do projeto, Valério Morelli. "Ataques como esses devem ser investigados pelo poder publico e os responsáveis devem ser identificados e punidos. Ataques como esses além de covardes e criminosos , escondem sentimentos de ódio ao trabalho das mulheres e a opção de produção. Portanto, se não houver uma resposta enérgica das forças de segurança e a mobilizacao da comunidade, esses criminosos irão se sentir confortáveis para continuar praticando terrorismo rural e prejudicando aqueles que realmemte trabalham e lutam por uma sociedade mais justa".

O coordenador do Núcleo de Gestão em Biodiversidade e Saúde de Farmanguinhos/Fiocruz, Glauco Villas Bôas, também se solidariza com a situação entrentada pela Cooplantas. "Mais do que um caso de policia trata-se de um caso que nos põe a refletir sobre as dificultades e conflitos que encontramos na construção do caminho para inserção de plantas medicinais em sistemas produtivos agroecologicos, promovendo não apenas o desenvolvimento de fitomedicamentos mas um desenvolvimento de fato sustentavel! Estamos juntos"!- afirma Glauco Vilas Bôas.

A Cooplantas é parceria das RedesFito em um projeto que visa transformar as plantas em medicamentos para serem distribuídos gratuitamente por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), em Itapeva (SP). O projeto tem o patrocínio do Ministério da Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e parceria com estudantes do curso de farmácia da Faculdade Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva.

É preciso que as autoridades e a população fiquem atentos para descobrir a quem interessa a destruição de um projeto que visa beneficiar a comunidade local, através da distribuição de medicamentos pelo SUS.